• Pascom Diocesana

Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial dos avós e dos Idosos




No próximo dia 25 de julho, a Igreja celebra o Dia Mundial dos Avós e dos Idosos, instituído pelo Papa Francisco. Em sua mensagem aos avós e idosos de todo o mundo, divulgada pela Santa Sé, no dia 22 de junho, Francisco inclui-se entre os que recebem a promessa de Jesus que dá o tom das reflexões para essa primeira jornada: “Eu estou contigo todos os dias”.

Sim, a ti! «Eu estou contigo todos os dias» são também as palavras que eu, Bispo de Roma e idoso como tu, gostaria de te dirigir por ocasião deste primeiro Dia Mundial dos Avós e dos Idosos: toda a Igreja está solidária contigo – ou melhor, conosco –, preocupa-se contigo, ama-te e não quer deixar-te abandonado.

Francisco recorda que a mensagem chega aos idosos e avós do mundo inteiro num tempo difícil. A pandemia foi uma dura provação e reservou um tratamento mais duro aos idosos. Muitos adoeceram – outros partiram – perderam cônjuges, entes queridos, enfrentaram a solidão.

“O Senhor conhece cada uma das nossas tribulações deste tempo. Ele está junto de quantos vivem a dolorosa experiência de ter sido afastado; a nossa solidão – agravada pela pandemia – não O deixa indiferente”, garantiu Francisco.

Visita de um anjo


Citando o exemplo de São Joaquim, contado numa tradição, que, afastado da comunidade, recebe a visita de um anjo enviado pelo Senhor, o Papa aponta o sentido deste Dia Mundial que ele quis celebrar pela primeira vez precisamente depois dum longo isolamento e com uma retomada ainda lenta da vida social: “oxalá cada avô, cada idoso, cada avó, cada idosa – especialmente quem dentre vós está mais sozinho – receba a visita de um anjo!“.


Este anjo, continua, algumas vezes, terá o rosto dos nossos netos; outras vezes, dos familiares, dos amigos de longa data ou conhecidos precisamente neste momento difícil. “Neste período, aprendemos a entender como são importantes, para cada um de nós, os abraços e as visitas, e muito me entristece o fato de as mesmas não serem ainda possíveis em alguns lugares”, pondera. O Brasil, por conta da lentidão na vacinação, pode ser um desses lugares em que ainda haverá dificuldades para promover encontros seguros com os idosos.


A visita do anjo também pode ser através da Palavra de Deus. O Papa motiva que se leia a cada dia uma página do Evangelho, que se reze com os Salmos, se leia os Profetas. “Ficaremos comovidos com a fidelidade do Senhor”, garante.


Ide e fazei discípulos


Francisco fala ainda da vocação dos Idosos, que também escutam o chamado do Senhor: “Ide e fazei discípulos”.

“Estas palavras são dirigidas também a nós, hoje, e ajudam-nos a entender melhor que a nossa vocação é salvaguardar as raízes, transmitir a fé aos jovens e cuidar dos pequeninos. Atenção! Qual é a nossa vocação hoje, na nossa idade? Salvaguardar as raízes, transmitir a fé aos jovens e cuidar dos pequeninos. Não vos esqueçais disto.”

O Papa ressalta que não existe uma idade para aposentar-se da tarefa de anunciar o Evangelho. “Existe uma renovada vocação, também para ti, num momento crucial da história”. Isso é possível, mesmo com todas as dificuldades, “abrindo o próprio coração à obra do Espírito Santo, que sopra onde quer. Com a liberdade que tem, o Espírito Santo move-Se por toda a parte e faz aquilo que quer”.


Construir o futuro


Também os idosos e avós tem papel importante para construir, na fraternidade e na amizade social, o mundo de amanhã. É a saída da crise de forma positiva. Para isso, o Papa indica três pilares que deverão sustentar esta nova construção, os quais os idosos “melhor que outros” podem ajudar a colocar: os sonhos, a memória e a oração.

“A proximidade do Senhor dará – mesmo aos mais frágeis de nós – a força para empreender um novo caminho pelas estradas do sonho, da memória e da oração”, salientou.


Confira a mensagem na íntegra em vídeo (com legendas em Português) e, logo abaixo, em texto:



0 comentário