• Pascom Diocesana

Congregação das Filhas de Sant’Ana completa cinco anos de presença na Paróquia Senhor Deus Menino


Comunidade atual da Congregação das Filhas de Sant’Ana

Vivendo a fidelidade à Profecia do Papa Pio IX: “Teu Instituto, ó Rosa, se espalhará como voo da pomba”, a Congregação das Filhas de Sant’Ana, fundada pela Beata Madre Ana Rosa Gattorno, em 8 de dezembro de 1866 em Piacenza, na Itália, celebra neste sábado (21), cinco anos de doação e serviço na Diocese de Cruz das Almas, especificamente na Paróquia Senhor Deus Menino, em São Félix.


Carisma


Existente no Brasil desde 1884, as Filhas de Sant’Ana são chamadas a viver na Congregação o carisma da identificação com Cristo Crucificado, no Mistério da sua Pobreza que se exprime através da Doação Materna, Espírito de Família e pobreza de coração.


A Congregação na Bahia e na Diocese de Cruz das Almas


A congregação chega no Estado da Bahia por volta de 1920, porém acabou encerrando suas atividades em torno dos anos 2000.


No ano de 2016 a Provincial, Irmã Ana Rosa Mota Nascimento, comunicou ao Arcebispo Primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, o desejo das Filhas de Sant’Ana retornarem à missão na Bahia. O Arcebispo acolheu o pedido e apresentou três possíveis paróquias para a instalação da Congregação.


A Provincial visitou as comunidades do município de São Félix, sendo bem acolhida pelo Pároco da época, Padre João Carlos dos Santos Pestana, que demostrava interesse por uma Comunidade Religiosa na Paróquia Senhor Deus Menino. Atualmente administrada pelo Padre Jurandir da Silva Paz.


Acreditando na providência divina, começaram organizar-se para abertura da Comunidade Religiosa e no dia 21 de agosto de 2016, foi apresentada à Paróquia as Filhas de Sant’Ana.



Missa de acolhida em 21 de agosto de 2016, em São Félix

A Comunidade estava composta por três irmãs: Ana Tereza de Farias, Ana Maria Gilcélia de Ribeiro e Graça Andriola. Atualmente a missão é constituída pelas irmãs: Ana Maria Gilcélia Ribeira, Ana Maria Ivanilda Guedes e Ana Edmária.


As Irmãs estão inseridas na dinâmica Paroquial, nas atividades pastorais na Sede e na Zona Rural, assim como, contribuem em algumas Comissões Diocesanas. Realizam sua missão na saúde, nas atividades pastorais acompanhando, orientado e formando o Povo de Deus, assim como, nas atividades socioeducativas abertas à Missionariedade.


História da Congregação


A história da Congregação das Filhas de Sant’Ana se dá junto à da fundadora, Rosa Maria Benta Gattorno, nascida em 14 de outubro de 1831, em Gênova, na Itália. Em 1862 quando a Madre diante de Jesus Crucificado, teve a inspiração para fundar uma Congregação Religiosa: "As Filhas de Sant’Ana" e aceitou a responsabilidade de fundadora mediante a ordem do Papa Pio IX. Assim, iniciou a obra de Deus, no dia 8 de dezembro de 1866, em Piacenza, na Itália com a primeira vestição, que marcava o início oficial das Filhas de Sant’Ana. Vestiu o hábito religioso em 1867 e tomou o nome de Ana Rosa.


Beata Ana Rosa Gattorno, Fundadora do Instituto das Filhas de Sant’Ana

O Instituto realizou obras de atendimento aos pobres e doentes, às pessoas sozinhas, anciãs e abandonadas; cuidou da assistência às crianças e às jovens, proporcionando-lhes uma instrução religiosa e adequada, de modo a inseri-las no mundo do trabalho. Assim, foram abertas muitas escolas para a juventude pobre.


A Madre Ana Rosa morreu no dia 6 de maio de 1900, na Casa Geral das Filhas de Sant’Ana, em Roma. Em 28 de junho de 1998, o Papa São João Paulo II a declarou como Venerável Serva de Deus e em 9 de abril de 2000 proclamada Beata pela Igreja.


Louvamos e bendizemos ao Senhor e a Sant'Ana pelos 5 anos de doação e serviço das Filhas de Sant'Ana em nossa Diocese, especificamente na Paróquia Senhor Deus Menino.


Texto: Adailane Souza




0 comentário