Lema: “Omnia Vincit Amor”
Aniversário Natalício: 09 de janeiro de 1964
Ordenação Presbiteral: 20 de janeiro de 1990

Ordenação Episcopal: 17 de janeiro de 2015
Eleito primeiro Bispo da Diocese de Cruz das Almas: 22 de novembro de 2017

Posse: 28 de janeiro de 2018

 

BIOGRAFIA

Dom Antonio Tourinho Neto é natural de Jequié (BA). Concluiu o curso primário no Educandário Santa Terezinha e os cursos ginásio e secundário no Centro Educacional Ministro Spínola em Jequié. É formado em técnico de Ciências Contábeis pelo Instituto Educacional Regis Pacheco em Jequié, Bahia.

Em 1982 ingressou no Seminário Central da Bahia e Cursou Bacharelado em Filosofia pela Universidade Católica de Salvador (UCSAL). Em 1985 foi transferido para o Seminário São José do Rio de Janeiro, cursou Bacharelado em Teologia na Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro. Possui formação em Língua Inglesa pelo Centro Cultural Anglo Americano. Fez Pós-Graduação em Direito Canônico pelo Pontifício Instituto Superior de Direito Canônico do Rio de Janeiro. Possui formação em Psicanálise pela Sociedade Psicanalista do Estado da Bahia (SPEB).

Em 20 de janeiro de 1990 foi ordenado sacerdote em sua cidade natal. Em 1990 foi Vigário paroquial em Aiquara (BA) e até 1993 foi Defensor do Vínculo Matrimonial de Justiça do Tribunal Eclesiástico Regional Nordeste 3. Na Diocese de Jequié exerceu as funções eclesiásticas de Juiz auditor da Câmara Eclesiástica, Chanceler da Diocese e membro do Colégio De Consultores. Em 2010 Foi Pároco do Quilômetro Cem em Brejões (BA). Em 2014 foi Pároco da Paróquia Cristo Rei em Jequié e Vigário Geral da Diocese entre os anos de 2012 a 2014. Foi nomeado bispo auxiliar da Arquidiocese de Olinda e Recife em 14 de novembro de 2014. Sua Ordenação Episcopal foi realizada no dia 17 de janeiro de 2015.

Até novembro de 2017 exerceu a função de Vigário-Geral da Arquidiocese de Olinda e Recife. Em 22 de novembro foi nomeado pelo Papa Francisco como primeiro bispo da recém-criada Diocese de Cruz das Almas, na Bahia, desmembrada da Arquidiocese de São Salvador da Bahia. A posse aconteceu na Catedral de Nossa Senhora do Bom Sucesso, no município de Cruz das Almas-BA, no dia 28 de janeiro de 2018, ocasião em que também foi realizada a Instalação da nova Diocese durante celebração presidida pelo Núncio Apostólico no Brasil, Dom Giovanni D’Anielo e concelebrada por Arcebispos e bispos de diversas Arqui (dioceses), padres e diáconos.

Descrição Simbólica:

1) A virgem de Guadalupe no centro do campo azul: É uma devoção particular que acompanha Dom Antonio Tourinho Neto há alguns anos em seu sacerdócio. Muitas são as suas experiências místicas com a Virgem de Guadalupe. Ela foi a intercessora e patrona em seu trabalho social e evangelizador junto aos menos favorecidos e excluídos da sociedade, principalmente os dependentes químicos. Dom Antonio Tourinho prometeu à Virgem, Imperatriz das Américas, que de alguma forma ela estaria representada em seu brasão em gratidão por seu amor maternal. 2) O campo azul: Recorda o céu e as virtudes que conduzem ao céu. O Bispo precisa cultivar em sua vida tais virtudes, pois, como principal ministro da Igreja de Cristo, deve ser para seus súditos exemplo de todas as virtudes cristãs. Representa também a bondade e a perseverança no pastorear o rebanho de Cristo, além de ser a cor da Virgem Maria, exemplo de todas as virtudes, expressando todo amor filial que Dom Antonio Tourinho Neto nutre por ela. 3) A coroa de espinhos de Jesus: o abandono e o sacrifício por amor. 4) O báculo: o instrumento do bom pastor (“apascenta as minhas ovelhas”). 5) O campo amarelo: Recorda a Realeza de Cristo, Sumo e eterno Sacerdote, que nos amou até o fim através da sua morte de cruz e por seu amor venceu o mundo ressuscitando dentre os mortos. O Bispo é aquele que participa do grau máximo do Sacerdócio de Cristo pelo Sacramento da Ordem e, por isso, tem o dever de amar por primeiro da forma como Cristo amou a humanidade, isto é, doando sua vida por todos os que foram confiados ao seu pastoreio. 6) As três cruzes paralelas em cor vermelha: Simbolizam a unidade perfeita da Trindade que convida a humanidade à comunhão de amor que é fundamento, cume e meta da missão dos seguidores de Jesus Cristo. O Bispo é chamado a ser promotor dessa comunhão que gera a unidade da Trindade entre os redimidos por Cristo. As três cruzes indicam que o Bispo não exerce seu ministério isoladamente. Ele é membro nato do Colégio dos Bispos cuja cabeça é o Romano Pontífice. Logo, o Bispo é responsável por sua Igreja Particular, mas também por todas as Igrejas presentes no mundo em comunhão com todos os outros Bispos e com o Papa. Simbolizam os três múnus – de ensinar, santificar e reger – inerentes ao ministério episcopal. Estão simetricamente paralelas para indicar que esses três múnus gozam da mesma importância e responsabilidade ao serem exercidos pelo Bispo. Esses múnus, que na Igreja são chamados de “poder sagrado,” estão significados em forma de cruzes para indicar que na Igreja de Jesus Cristo todo poder é entendido como ministério – serviço. Simbolizam ainda as três virtudes teologais – Fé, Esperança e Caridade – pelas quais o Bispo deve estar amparado e apto para exercer, segundo a vontade de Cristo, o ministério episcopal. As cruzes em vermelho lembram trabalho, labuta e, principalmente, martírio que o Bispo deve abraçar corajosamente derramando seu próprio sangue, se preciso for, a exemplo de Cristo, para defender a Igreja e para ser fiel ao Evangelho.  7) O Lema Episcopal de Dom Antonio Tourinho Neto: “O AMOR VENCE TUDO” (Rm 8,35.37) – OMNIA VINCIT AMOR – Trata-se de uma passagem da Carta de São Paulo aos Romanos em que o Apóstolo destaca a vitória de Jesus em Jo 16,33. A vitória de Cristo é vitória nossa, pelo amor que Deus nos demonstrou na obra do seu Filho. O amor é mais forte que a morte e Deus nos ama para além da morte. Deus Pai em sua infinita bondade, pela morte e ressurreição do seu Filho Jesus Cristo, garantiu a nossa vitória por meio do amor vencedor de Cristo. Dom Antonio Tourinho Neto, no exercício do seu ministério apostólico, quer testemunhar este amor vencedor. Como Bispo deseja anunciar o amor de Cristo que é mais forte que o mundo e que a morte. Através do ministério episcopal quer ser testemunha de que esse amor é penhor de ressurreição. 8) A cruz processional de ouro: Localizada atrás do escudo simboliza a justiça, a clemência, a autoridade e a missão do pastor que se traduz na entrega de seguir os passos de Jesus no anúncio do Evangelho. 9) O chapéu prelatício: Representa a missão apostólica do Bispo como sucessor dos Apóstolos, em comunhão com o Colégio dos Bispos e com o Papa, designado a apascentar e guiar os fiéis cristãos.

 

Descrição simbólica: Dom Antonio Tourinho Neto.

Arte e descrição heráldica: José Valmeci de Souza (Atta)

Palhoça, SC, dezembro de 2014.

Brasão Episcopal

Descrição Heráldica: Escudo de azul. Ícone da Virgem de Guadalupe, de sua cor, acompanhada à dextra por um báculo de ouro, e à senestra por uma coroa de espinhos, do mesmo. Chefe de ouro, carregado de três cruzes pateadas entre curvas, de vermelho. O todo brocante sobre uma cruz processional de ouro, cheia de prata. Escudo encimado pelo chapéu prelatício, de verde, com seus cordões terminados em seis borlas em cada flanco, postas 1-2-3. Listel de ouro, brocante sobre o pé da cruz processional, carregado da inscrição “Omnia Vincit Amor”, de negro, e de duas cruzes páteas, uma em cada extremidade, do mesmo.

LOCALIZAÇÃO

Tel (75) 3621-2686

 

Praça Senador Temístocles, s/n – Centro

Cep. 44.380-000 Cruz das Almas – BA.

e-mail: contato@diocesedecruzdasalmas.com.br

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Google+ Icon

© 2018 por Diocese de Cruz das Almas. Pastoral da Comunicação Diocesana.